O Kitsch em Milan Kundera - A Estética do Idílio em a Insustentável Leveza do Ser

Ref: 978-65-250-1051-9

O best-seller de Milan Kundera quase teve o título de O Planeta da Inexperiência. Os personagens de A Insustentável Leveza do Ser são egos experimentando os mistérios da vida numa trajetória de diferentes decisões e escolhas para o desconhecido. Ou seja, os protagonistas desse enredo são sempre despreparados para o novo que a vida lhes apresenta. De modo nietzschiano, Kundera compreende que a vida é sem sentido e, por isso, escreve os seus romances com o intuito de “compreender o personagem e seu mundo como possibilidades”.


Calcule o frete

Opções de entrega:

Versão impressa
R$ 66,00
ADICIONAR 
AO carrinho

Versão digital
R$ 23,00

Nossos eBooks estão no formato ePub, o mais aceito nos variados aparelhos nos quais se podem ler livros digitais: eReaders, Smartphones, iPads, iPhones e PCs (este último por meio do Adobe Digital Editions). Os livros podem ser comprados via download nas seguintes livrarias online:

- Amazon (formato Mobi disponível para Kindle)

- Google Play Livros

- Apple Books

- Cultura/Kobo

ISBN: 978-65-250-1051-9


ISBN Digital: 978-65-250-1050-2


Edição:


Ano da edição: 2021


Data de publicação: 11/08/2021


Número de páginas: 277


Encadernação: Brochura


Peso: 300 gramas


Largura: 16 cm


Comprimento: 23 cm


Altura: 2 cm


1. Lucas Mudo.

O best-seller de Milan Kundera quase teve o título de O Planeta da Inexperiência. Os personagens de A Insustentável Leveza do Ser são egos experimentando os mistérios da vida numa trajetória de diferentes decisões e escolhas para o desconhecido. Ou seja, os protagonistas desse enredo são sempre despreparados para o novo que a vida lhes apresenta. De modo nietzschiano, Kundera compreende que a vida é sem sentido e, por isso, escreve os seus romances com o intuito de “compreender o personagem e seu mundo como possibilidades”.
No entendimento do escritor tcheco, a filosofia trata abstratamente dos temas da existência humana, de modo que o romance pode pensar de forma autônoma, sem precisar ser filosofia, as questões acerca do sentido da vida e explaná-las através de egos experimentais (personagens). O narrador de A Insustentável Leveza do Ser se coloca como um observador de seus personagens e comentarista de seus atos. Comentando, por exemplo, sobre problemas de relacionamentos afetivos e principalmente sobre o desejo deles de serem felizes.
Em A Arte do Romance, o autor aponta que há quatro tipos de romances: romance filosófico, romance histórico, romance psicológico e romance que pensa. Para este livro, A Insustentável Leveza do Ser é um romance que pensa o kitsch como forma estética do idílio.
O idílio significa a busca existencial pelo equilíbrio, harmonia, serenidade e felicidade. Logo, nega o sofrimento e tudo aquilo que geraria conflitos na vida humana. O kitsch é apresentado pelo romancista como a estética da negação da merda. Entendemos por “merda” o aspecto literal do termo e também a conotação metafórica que a palavra gera, pois o kitsch é a negação de tudo aquilo que é desagradável e sombrio para a condição humana.
O idílio é uma metafísica do acordo categórico do ser. Kitsch é uma expressão estética desse sentimento acordado com o próprio ser. O leitmotiv do kitsch advém do acordo idílico de negar os aspectos ruins da própria existência. O imperativo categórico do acordo do ser é a crença teológica do bem supremo, de modo que todo o mal que coabita na condição humana precisa ser negado.