Segredos que Adoecem: Um Estudo Psicanalítico sobre o Críptico Adoecimento Somático na Dimensão Transgeracional

Ref: 978-65-250-1687-0

A clínica psicanalítica é múltipla e nos fornece elementos diversos que se interligam quando se trata da escuta do adoecimento do corpo. Nesse contexto, há que se considerar que o outro familiar e seus outros, alinhados na corrente geracional, estarão para sempre implicados nas bases constitutivas do psiquismo humano e, da mesma forma, inseridos nas possibilidades do adoecer humano.


Calcule o frete

Opções de entrega:

Versão impressa
R$ 52,00
ADICIONAR 
AO carrinho

Versão digital
R$ 18,00

Nossos eBooks estão no formato ePub, o mais aceito nos variados aparelhos nos quais se podem ler livros digitais: eReaders, Smartphones, iPads, iPhones e PCs (este último por meio do Adobe Digital Editions). Os livros podem ser comprados via download nas seguintes livrarias online:

- Amazon (formato Mobi disponível para Kindle)

- Google Play Livros

- Apple Books

- Cultura/Kobo

ISBN: 978-65-250-1687-0


ISBN Digital: 978-65-250-1670-2


Edição:


Ano da edição: 2021


Data de publicação: 15/10/2021


Número de páginas: 151


Encadernação: Brochura


Peso: 300 gramas


Largura: 16 cm


Comprimento: 23 cm


Altura: 2 cm


1. Marcia Maria dos Anjos Azevedo.

A clínica psicanalítica é múltipla e nos fornece elementos diversos que se interligam quando se trata da escuta do adoecimento do corpo. Nesse contexto, há que se considerar que o outro familiar e seus outros, alinhados na corrente geracional, estarão para sempre implicados nas bases constitutivas do psiquismo humano e, da mesma forma, inseridos nas possibilidades do adoecer humano. A história de cada grupo, ou de cada sujeito desse grupo, vai ser transmitida entre os seus membros ou por meio deles. A partir dessa discussão, ressalto a importância da transmissão dos mitos, fantasmas e sombras. Estas últimas oriundas dos segredos familiares, aqui traduzidos pela figura de uma cripta, advinda de um não dito fundamental sobre as origens do sujeito, que se atualiza na repetição. Em conjunto com a compreensão sobre a formação de uma cripta familiar e sua transmissão, o corpo aparece como fronteira porosa e superfície do aparelho psíquico. Este, que em sua sensorialidade, apresenta-se como veículo da transmissão psíquica e receptor das sensações traduzíveis ou não, reconhecido como primeira forma de alteridade. Os aspectos encriptados são aqueles que impedem a circulação dos mitos familiares, e fazem reaparecer os fantasmas que atravessam as gerações. Esse é o panorama que configura o modo de transmissão psíquica conhecida como transgeracional. A dimensão do segredo e do silêncio ganha acento, uma vez que eles tangenciam o campo transferencial, tanto na vivência do processo psicanalítico individual quanto no grupo familiar. Nessa perspectiva, procurei analisar o adoecer a partir de questões que tocam em quatro categorias fundamentais, a saber: a transmissão psíquica transgeracional, o lugar do corpo na transmissão, a repetição como manifestação do conteúdo encriptado e a técnica analítica.