Publicar um Escrito: Passagens Moebianas entre Casa, Rua e Universidade

Ref: 978-65-250-1533-0

Este livro desenvolve articulações a respeito do tema da escrita e, mais precisamente, seu desdobramento oferecido ao leitor: a publicação. Publicar é algo que acontece na esteira de um processo, pouco estudado e bastante complexo, que vai desde as fantasias que povoam a folha em branco até o registro, na esfera pública, de algo escrito no privado. Na literatura, alguns escritores já versaram sobre a casa como refúgio para o escrever, como Marguerite Duras, Virginia Woolf, Roland Barthes, entre outros.


Calcule o frete

Opções de entrega:

Versão impressa
R$ 49,00
ADICIONAR 
AO carrinho

ISBN: 978-65-250-1533-0


Edição:


Ano da edição: 2021


Data de publicação: 26/10/2021


Número de páginas: 151


Encadernação: Brochura


Peso: 300 gramas


Largura: 16 cm


Comprimento: 23 cm


Altura: 2 cm


1. Mariana de Bastiani Lange.

Este livro desenvolve articulações a respeito do tema da escrita e, mais precisamente, seu desdobramento oferecido ao leitor: a publicação. Publicar é algo que acontece na esteira de um processo, pouco estudado e bastante complexo, que vai desde as fantasias que povoam a folha em branco até o registro, na esfera pública, de algo escrito no privado. Na literatura, alguns escritores já versaram sobre a casa como refúgio para o escrever, como Marguerite Duras, Virginia Woolf, Roland Barthes, entre outros. As esferas do público e do privado se enlaçam, moebianamente, quando pensamos no que envolve a trajetória de um escrito rumo à sua publicação. Na universidade, a produção escrita é constante e permite elaborar questões para além da pesquisa. A escrita também é permeada de problemáticas, como as ressaltadas por Grada Kilomba e Conceição Evaristo, que interrogam sobre o lugar social de quem escreve. Como podemos pensar os efeitos da escrita endereçada ao outro, efeitos para o sujeito que escreve e para o social no qual um escrito se insere? Este livro é costurado pelos fios que se desprendem dessa questão. As relações entre casa, rua e universidade desenham caminhos pelos quais um escrito pode se endereçar ao outro – a um outro específico e ao grande Outro da cultura – e permitem multiplicar indagações a respeito de como se dá a publicação de um escrito. As inquietações, ponto de partida deste livro, surgem da casa, da rua e da universidade e são desdobradas em conversas com a psicanálise, a literatura, a filosofia e a educação, apontando para o desejo de escrever como potência de um gesto que deixa marcas.