Representações de Si, do Outro e Práticas Lúdicas: Identidades e Diferenças em Jogos

Ref: 978-65-250-1112-7

Comumente jogos e brincadeiras, quando pensados como ações pedagógicas, tendem a serem utilizados para o ensino de conteúdos formais e para o aprimoramento da cognição, focando resultados por meio de aprendizagens lógicas. Em muitos desses casos, elementos da própria estrutura dessas atividades acabam simplificados e limitados aos interesses imediatos do ensino. Como elemento da cultura, os jogos e brincadeiras permitem acessos a questões emergentes do cotidiano, que nem sempre são conscientes em nossas ações correntes, mas que em jogo se fazem presentes.


Calcule o frete

Opções de entrega:

Versão impressa
R$ 52,00
ADICIONAR 
AO carrinho

ISBN: 978-65-250-1112-7


Edição:


Ano da edição: 2021


Data de publicação: 01/09/2021


Número de páginas: 115


Encadernação: Brochura


Peso: 300 gramas


Largura: 16 cm


Comprimento: 23 cm


Altura: 2 cm


1. Pâmela Vicentini Faeti.

Comumente jogos e brincadeiras, quando pensados como ações pedagógicas, tendem a serem utilizados para o ensino de conteúdos formais e para o aprimoramento da cognição, focando resultados por meio de aprendizagens lógicas. Em muitos desses casos, elementos da própria estrutura dessas atividades acabam simplificados e limitados aos interesses imediatos do ensino. Como elemento da cultura, os jogos e brincadeiras permitem acessos a questões emergentes do cotidiano, que nem sempre são conscientes em nossas ações correntes, mas que em jogo se fazem presentes. Ao refletir sobre os jogos das identidades, em confronto nas situações de disputa, e ao se deparar com os desafios da promoção de processos educativos sensíveis às subjetividades, o livro Representações de si, do outro e práticas lúdicas: identidades e diferenças em jogos propõe a refletir sobre as potencialidades dos jogos e brincadeiras para o acesso aos modos como representamos a nós mesmos e ao outro. O texto com traços autobiográficos, ao ser preenchido pela experiência da autora, em processo de se (re)conhecer, desdobra-se como resposta a um desafio pessoal para fazer explícito o que a instiga nos jogos, pois “quem joga, jura”, já dizia um poeta. Desse modo, ao analisar estudantes de Pedagogia em situações de jogos e diálogo grupal, esta obra apresenta indícios de que a aproximação com as diferenças, por meio do jogar, potencializa as experiências e os reconhecimentos de si e do outro. Ainda sobre os jogos e brincadeiras, indica que esse tipo de abordagens inseridas em cursos de formação de professores(as), podem propiciar outras possibilidades para lidarmos com as questões das identidades e diferenças no ambiente escolar.