Saber Conviver na Escola: Marcos Teórico e Situacional

Ref: 978-65-250-2037-2

Este livro busca contribuir, de forma prática, com a reflexão coletiva em relação às ações necessárias para a construção de estratégias pedagógicas e relacionais sobre a melhoria da convivência escolar.


Calcule o frete

Opções de entrega:

Versão impressa
R$ 43,00
ADICIONAR 
AO carrinho

ISBN: 978-65-250-2037-2


Edição:


Ano da edição: 2021


Data de publicação: 09/12/2021


Número de páginas: 95


Encadernação: Brochura


Peso: 300 gramas


Largura: 14.8 cm


Comprimento: 21 cm


Altura: 2 cm


1. Eliane Castro Vilassanti.

Este livro busca contribuir, de forma prática, com a reflexão coletiva em relação às ações necessárias para a construção de estratégias pedagógicas e relacionais sobre a melhoria da convivência escolar. Conforme Danilo Gandim (2009), planejar é — sempre — buscar a transformação da realidade; é — sempre — propor ações, atitudes, regras e rotinas as quais possam levar à satisfação de necessidades descobertas na realidade ou na prática. A comparação entre o que se quer de positivo para a convivência escolar e o que existe na realidade cotidiana resultará em um plano de ação a ser efetivado, visando transformações de uma realidade. Dessa forma, são apresentados, neste livro, capítulos sobre o marco referencial e marco situacional, visando a orientar a escrita do Plano de Convivência Escolar, possibilitando a construção do marco operativo. Assim, o marco referencial trata-se do conjunto de posicionamentos teóricos, filosóficos e metodológicos que fundamentam as reflexões sobre o saber conviver na escola e na política educacional. Com ele, busco apresentar as referências teórico-metodológicas para as quais as ações, atitudes e rotinas devem produzir a melhoria da convivência escolar e um clima escolar positivo. Esse marco referencial multidisciplinar, também, busca embasar a efetivação de uma educação em Direitos Humanos, a consolidação de uma gestão democrática nas escolas, bem como o desenvolvimento da educação relacional da comunidade escolar e, em especial, dos estudantes. Esta proposta é, antes de tudo, uma escolha ética por saber conviver na escola.