Chão: A Experiência como Possibilidade de Construção de Conhecimento

Ref: 978-65-250-1401-2

Este trabalho parte da compreensão de que as paisagens periféricas não podem ser compreendidas e planejadas apenas com procedimentos de estudo e intervenção prontos/padronizados, concebidos a partir de um enfoque universalista e distanciado, excluindo seu caráter local. É fundamental a imersão nessas paisagens a partir de uma perspectiva colaborativa e solidária de construção de conhecimento, além de profissionais e pesquisadores que se proponham a estudá-las e planejá-las.


Calcule o frete

Opções de entrega:

Versão impressa
R$ 85,00
ADICIONAR 
AO carrinho

ISBN: 978-65-250-1401-2


Edição:


Ano da edição: 2021


Data de publicação: 27/01/2022


Número de páginas: 257


Encadernação: Brochura


Peso: 300 gramas


Largura: 16 cm


Comprimento: 23 cm


Altura: 2 cm


1. Cecilia Maria de Morais Machado Angileli.

Este trabalho parte da compreensão de que as paisagens periféricas não podem ser compreendidas e planejadas apenas com procedimentos de estudo e intervenção prontos/padronizados, concebidos a partir de um enfoque universalista e distanciado, excluindo seu caráter local. É fundamental a imersão nessas paisagens a partir de uma perspectiva colaborativa e solidária de construção de conhecimento, além de profissionais e pesquisadores que se proponham a estudá-las e planejá-las.

A construção colaborativa de soluções para favelas e ocupações, associando o saber acadêmico ao popular, apresenta-se como um processo estratégico e emancipatório. Por um lado, os moradores envolvidos nesse processo não só têm o acesso ao conhecimento que é produzido sobre eles e seu meio, mas também implica em seu reconhecimento como autores desse conhecimento. E aos profissionais, permite o acesso a conhecimentos populares essenciais para entender as reais dinâmicas das paisagens e nelas reconhecer ou não processos mais estruturais. Também traz à tona entendimentos novos sobre a prática do ensino dessas paisagens, reconhecendo limitações que precisam ser superadas.

Este é o convite feito pela urbanista e educadora popular Cecilia Angileli que, ao longo de dez anos (2002-2012), percorreu cerca de 100 favelas do distrito de Brasilândia, na região da Serra da Cantareira — norte da cidade de São Paulo —, apresentando as formas de produção e apropriação dessa paisagem, além dos enfrentamentos cotidianos de seus moradores na luta pelo “chão”, por meio da metodologia da pesquisa-ação. Estudos que dão continuidade à sua primeira publicação Paisagens Reveladas no Cotidiano da Periferia (2014).