Julietas Encarceradas: Caminhos Etnocenológicos de uma Montagem Espetacular com Mulheres em Restrição de Liberdade

Ref: 978-65-250-2124-9

O livro Julietas encarceradas: caminhos etnocenológicos de uma montagem espetacular com mulheres em restrição de liberdade consiste na produção e adaptação cênica da peça teatral Romeu e Julieta, de Shakespeare. Foi no Presídio Feminino do Distrito Federal (PFDF) que o texto shakespeareano foi adaptado pelo Grupo Teatral Julietas Encarceradas, para Duas faces de Julieta. Essa adaptação teve como referência teórica a escuta e o olhar sensíveis, a alteridade, a casa originária, a fragmentação do sujeito e os aprendizados adquiridos. Foram observadas, neste livro, as teorias de Arminio Bião, Jean Marie Pradier, Alexandra Gouvêa Dumas e Jorge das Graças Veloso, que fundamentam a Etnocenologia, a análise de Stuart Hall sobre a fragmentação do sujeito na modernidade e os estudos de Gaston Bachelard sobre os caminhos ancestrais e a casa ontológica. Este livro foi dividido em três partes: a primeira foi a apresentação das mulheres do grupo teatral, observando-se a subjetividade ontológica das pesquisadas e as trajetórias do pesquisador; a segunda, os caminhos da Etnocenologia da espetacularidade e os direitos das mulheres presidiárias; a terceira foi a produção do objeto estético na adaptação da peça Romeu e Julieta.


Calcule o frete

Opções de entrega:

Versão impressa
R$ 52,00
ADICIONAR 
AO carrinho

ISBN: 978-65-250-2124-9


Edição:


Ano da edição: 2022


Data de publicação: 19/02/2022


Número de páginas: 131


Encadernação: Brochura


Peso: 300 gramas


Largura: 16 cm


Comprimento: 23 cm


Altura: 2 cm


1. João Timótheo Maciel Porto.

O livro Julietas encarceradas: caminhos etnocenológicos de uma montagem espetacular com mulheres em restrição de liberdade consiste na produção e adaptação cênica da peça teatral Romeu e Julieta, de Shakespeare. Foi no Presídio Feminino do Distrito Federal (PFDF) que o texto shakespeareano foi adaptado pelo Grupo Teatral Julietas Encarceradas, para Duas faces de Julieta. Essa adaptação teve como referência teórica a escuta e o olhar sensíveis, a alteridade, a casa originária, a fragmentação do sujeito e os aprendizados adquiridos. Foram observadas, neste livro, as teorias de Arminio Bião, Jean Marie Pradier, Alexandra Gouvêa Dumas e Jorge das Graças Veloso, que fundamentam a Etnocenologia, a análise de Stuart Hall sobre a fragmentação do sujeito na modernidade e os estudos de Gaston Bachelard sobre os caminhos ancestrais e a casa ontológica. Este livro foi dividido em três partes: a primeira foi a apresentação das mulheres do grupo teatral, observando-se a subjetividade ontológica das pesquisadas e as trajetórias do pesquisador; a segunda, os caminhos da Etnocenologia da espetacularidade e os direitos das mulheres presidiárias; a terceira foi a produção do objeto estético na adaptação da peça Romeu e Julieta.
Esta obra trata ainda da episteme do corpo da mulher presidiária e seu gestual adverbial, que tem como referência da teoria de Bião, do gesto significativo, que leva à teatralidade e à consciência reflexiva tendo como resultado a ação e reação nas cenas que foram criadas. Outro aspecto é a alteridade que reconhece a outra pessoa e seu lugar de pertencimento como sendo legítimos pela sua própria existência, independentemente de qualquer inferência externa. Para a concretização do livro, foram aplicadas as apetências que são simultaneamente essenciais e existenciais, que justifica o interesse da mulher em seu objeto e trajeto, sem a qual não se pode construir competência, que é o conjunto de capacidades, experiências e práticas, e que pode permitir a
elas a plena execução dos seus propósitos com seus repertórios. Por fim, refletiu-se sobre as condições da mulher encarcerada no contexto da política de aprisionamento desenvolvida no Brasil.